Blog / Uncategorized / Dia da Imprensa: ARI publica manifesto em prol da imprensa e da democracia

Dia da Imprensa: ARI publica manifesto em prol da imprensa e da democracia

No dia Nacional da Imprensa, comemorado neste 1º de junho, a Associação Riograndense de Imprensa (ARI) lançou um manifesto, defendendo a democracia e alertando: “o autoritarismo ameaça o Brasil”. A entidade, em uma campanha que envolveu vários veículos de comunicação de Porto Alegre/RS, o texto foi enviado para que fosse impresso nos jornais desta segunda-feira. 

Assinado pelo presidente da ARI, Luiz Adolfo Lino de Souza, e pelo presidente do Conselho Deliberativo da entidade, João Batista de Melo Filho, o documento reforça que, quando a liberdade de imprensa é ameaçada, as demais liberdades individuais e a própria democracia correm riscos. “É o que ocorre no Brasil nestes tristes tempos de pandemia e sucessivas crises”, ressalta o manifesto.

O texto critica duramente as agressões sofridas por jornalistas por parte dos apoiadores do atual presidente da República. O manifesto ainda se opõe ao “desapreço governamental à ciência, à cultura, ao meio ambiente e às regras mais elementares de educação e cidadania, assim como as frequentes manifestações de simpatia por armas e de tolerância com milícias ilegais, tende a estimular comportamentos fascistas”. 

O documento emitido pela ARI ainda busca homenagear os profissionais da imprensa e os veículos de comunicação. “Não vamos nos calar, não seremos calados”, finaliza. O manifesto pode ser conferido na íntegra neste link.

Vale relembrar que a imprensa tem tido papel fundamental na atual crise sanitária mundial que estamos vivendo. A mais importante lição da pandemia para o jornalismo brasileiro é o resgate que está sendo feito de sua credibilidade. E temos visto esses profissionais não medirem esforços para nos manter informados, mesmo com todos os riscos e represálias, os profissionais da imprensa tem feito o seu melhor para nos informar através de fontes verdadeiras e confiáveis. 

Em meio a tanta desinformação e “fake news”, onde buscar informação de qualidade, apurada com método e rigor? Nos veículos profissionais de mídia, como jornais, TVs, rádios e sites de notícias. O que foi confirmado em duas pesquisas feitas em março de 2020.

A pesquisa realizada com 10 mil pessoas em 10 países, incluindo o Brasil, o levantamento da Edelman mostrou que 59% dos brasileiros (64% no mundo) buscam informações confiáveis sobre a pandemia nos meios de comunicação tradicionais. Já a pesquisa do DataFolha, que ouviu 1.558 pessoas no país, chegou a conclusão semelhante: 61% dos entrevistados confiam nos programas jornalísticos de TV; 56%, em jornais; 50%, em rádio; e 38%, em sites de notícias. 

Esse é o lado positivo da pandemia para a imprensa. Mas e o negativo? É o agravamento da crise sofrida pelos veículos de mídia, cujo modelo de negócios tradicional já vinha tendo dificuldades desde o surgimento da internet, na segunda metade dos anos 1990. Com a queda na receita de publicidade, os meios têm tentado diversificar as fontes de renda, mas não foi e nem tem sido o suficiente para segurar os empregos nas redações, que encolheram.

Apesar do cenário, o jornalismo vive e sobreviverá à pandemia. O jornalismo está fazendo história durante a pandemia, profissionais que devem ser valorizados e respeitados todos os dias. Para que eles possam então realmente comemorar o seu dia com plenitude. 

Cadastre-se para receber conteúdo em primeira mão!