Blog / Destaque / Como a tecnologia Blockchain pode ajudar o Governo Brasileiro

Como a tecnologia Blockchain pode ajudar o Governo Brasileiro

A tecnologia de Blockchain ou tecnologia de registros distribuidos (DLT – Distributed ledger tecnology) tem sido um dos assuntos mais comentados do ano de 2017 em tecnologia. O interesse veio a partir da imensa popularidade e valorização da moeda bitcoin, criada utilizando essa tecnologia, mas não se limita apenas isso, uma vez que o maior potencial da tecnologia vai ser a sua implementação em outras áreas.

Blockchain tem chamado atenção porque é uma tecnologia que permite a implementação de regitros distribuidos, auditáveis e não fraudáveis. A ideia de se ter um arquivo distribuido, ou seja, presente no computador de várias pessoas, só que com mais segurança do que um arquivo centralizado, certamente fascina em seu conceito.

Existem dois tipos de tecnologias blockchain sendo discutidas: sem permissão, onde qualquer pessoa pode se tornar parte da rede. Por exemplo nas criptomoedas. E com permissão, onde somente agentes autorizados podem escrever e eventualmente ler estes registros.

As blockchain com permissão vem sendo utilizadas para aumentar a eficiencia e transparência de governos de vários paises. O motivo principal porque esta tecnologia é tão adequada para o uso em governo é exatamente o seu conceito de transparência, com conteúdo auditável e não fraudável. Além disto, pelo fato da tecnologia blockchain ser uma tecnologia append-only, ou seja, não existe nem deleção e nem alteração de registros mas sim um histórico, isto se assemelha muito a um processo administrativo ou judicial formal de governo. Depois de uma transação estar registrada e validada na blockchain não existe possibilidade de excluí-la ou alterá-la, somente reverte-la através de outras transações, o que torna a transparência sobre todo o histórico auditável.

USO NO GOVERNO

A eficiência dos serviços prestados no âmbito público está não só na eficiência local de seus orgãos, mas na colaboração eficiente entre orgãos. Hoje, essa colaboração ocorre em portais oficiais para cumprir critérios de publicidade de atos administrativos, o que limita o alcance esperado para a divulgação desses atos comprometendo a eficiência. E é exatamente neste ponto que esta tecnologia se demonstra adequada. Com o uso da blockchain, esses problemas seriam facilmente corrigidos com uma solução automatizada, segura e auditável.

Uma blockchain distribuída tem a vantagem de estar armazenada em todos os computadores dos participantes da corrente dificultando um possível ataque. Uma outra vantagem é que todas as alterações nessa estrutura precisam do consenso de todos envolvidos, o que torna difícil a manipulação indevida de dados.

Por exemplo, pense num registro distribuído de decisões judiciais envolvendo imóveis. Esta blockchain existiria nos computadores de todos os registros de imóveis do Brasil. Para adulterá-lo, seria necessário manipular os dados de todos os cartórios, o que seria praticamente impossível. Mesmo se o arquivo fosse alterado em uma fonte, os dados seriam validados com os outros participantes do sistema, o que se chama de consenso distribuído em blockchain. O consenso garante que esses arquivos serão iguais. E ainda é possível inutilizar qualquer alteração antes do consenso graças a criptografia da blockchain, que imediatamente corrompe arquivos adulterados caso não haja autorização. Por causa disso, o jornal “The Economist” denominou a blockchain como trust machine, ou seja, a máquina da confiança.

Um outro argumento a favor do uso da blockchain é que essa tecnologia é complementar e consegue integrar independente de outros sistemas de computação, não exigindo nenhuma mudança nos sistemas atuais. A segurança ainda é garantida pelo certificado digital atribuído a cada participante da blockchain.

Exemplos de uso da tecnologia blockchain em diferentes países incluem o uso pelo governo da Geórgia e Ucrânia os quais celebram o uso de dados auditáveis como uma maneira de conseguir conquistar a confiança dos cidadãos no governo. A Estônia e Arábia Saudita também anunciaram o uso da tecnologia para registros, bem como na área da saúde e comércio.

Tudo o que foi abordado aqui torna esta tecnologia extremamente interessante para colaboração entre órgãos e governos. A tecnologia blockchain garante segurança em tempos delicados onde a informação é o grande valor da sociedade. Ataques hackers e fraudes poderão ser extintos com essa tecnologia e cabe aos governos caminharem nessa direção.

SOBRE OS AUTORES DO ARTIGO

Edelweis Ritt
Edelweis Ritt é especialista em Tecnologia Blockchain, diretora de Desenvolvimento de Produtos na Unitec Semicondutores e possui experiências relevantes como executiva em grandes empresas relacionados ao mercado de eletrônica no Brasil e na academia. Esteve envolvida em projetos de System-on- a-Chip com milhões de transistores e com o CEITEC no Brasil desde sua criação chegando a posição de Diretora de operações. Na Semikron Brasil, foi General Manager para a América Latina, responsável por uma fábrica de dispositivos de eletrônica de potência com 550 colaboradores. É bacharel em Computação pela PUC-RS, possui mestrado pela UFRGS e doutorado na área de circuitos integrados pela universidade de Tübingen na Alemanha.

Marison Souza
Arquiteto de software com vasta experiência em projetos de alta complexidade, segurança e inovação, tendo sido responsável por projetos importantes em empresas e órgãos como TSE, Grupo RBS, TCU, entre outros. Possui certificado Java pela Oracle e profundo conhecimento em tecnologias OpenSource, atuando no mercado de desenvolvimento, pesquisa, criação e arquitetura de sistemas há 15 anos. Atuou em empresas como Matrix Internet, Claro, Sicredi, Advanced IT, Vivo.

Cadastre-se para receber conteúdo em primeira mão!